PORTUGAL: Clientes de Casinos gastam cada vez menos devido à crise e à “concorrência ilegal”

Os casinos mantêm os clientes, mas estes apostam menos. As receitas desceram 4,77 por cento em Setembro, face a 2010, e as perspectivas são para piorar devido "à crise" e à "concorrência ilegal", acusam estes estabelecimentos.

Artur Mateus, da Associação Portuguesa de Casinos (APC), revelou à agência Lusa que a crise nestes estabelecimentos começou a acentuar-se em 2009, quando “as receitas brutas dos jogos caíram 10,3% face ao ano anterior (de 387,7 para 347,7 milhões de euros”.

Tratou-se de “um decréscimo sem precedentes na história do sector, que se verificou apesar da abertura do Casino de Chaves em 2008, e do consequente aumento, de nove para 10, do total de casinos em exploração”, disse.

Também o ano de 2010, com 344,5 milhões de euros, caracterizou-se por “um agravamento deste decréscimo de receitas, que se agudizou em 2011”.

Já este ano, o decréscimo em janeiro situava-se em 3,29%, face ao período homólogo de 2010, com um agravamento progressivo que, em Setembro, se cifrava em 4,77%.

Para Artur Mateus, esta situação deve-se “não só à crise generalizada que afecta toda a economia, como também a factores específicos”, como a “concorrência ilegal, e nunca combatida pelo Estado, dos casinos on-line, responsáveis por uma significativa alteração dos hábitos de aposta dos portugueses e pelo consequente desvio de receitas de uma actividade legal e altamente tributada — a dos casinos legais — para o jogo na internet, não sujeito a qualquer tributação em Portugal”.

“A este problema, veio juntar-se, nos anos mais recentes, um conjunto de decisões governamentais que condicionaram seriamente a capacidade de investimento dos casinos nacionais e que lhes afectaram, consequentemente, a capacidade de realizar investimentos em contra-ciclo que servissem de antídoto à crise”, sublinhou Artur Mateus.

A APC prevê para os próximos anos “um agravamento ainda maior desta situação, visto que as medidas de austeridade já em execução, e as anunciadas para o futuro, afectarão cada vez mais a disponibilidade económica dos portugueses, com a consequente diminuição do dispêndio em actividades lúdicas como as oferecidas pelos casinos”.

Apesar da diminuição das receitas, o número de frequentadores dos casinos portugueses tem-se mantido.

Contudo, afirma Artur Mateus, “o dispêndio individual de cada cliente diminuiu significativamente”. “É típico de uma conjuntura de crise como a que atravessamos”, frisou.

Notícia: RTP Notícias

                                                                                                                         

OBSERVATÓRIO

.

.

REGULAÇÃO

Em boa hora enviámos para a Comissão Europeia o entendimento que norteia o nosso trabalho desde 2004

  Entendemos que  devem  ser elaborados  estudos em  prestigiadas  universidades, em  cooperação com operadores e reguladores, recorrendo às bases de registos dos jogos na internet para estudar com precisão os comportamentos e os hábitos dos jogadores. Os resultados destes estudos podem proporcionar uma base empírica à  comunidade científica  internacional na área  da investigação em comportamentos de dependência 

Entendemos que devem ser lançadas campanhas maciças de educação, através de diversos canais de comunicação, com o objectivo de  chegar efectivamente a toda a população, de maneira que esta possa perceber que existe uma verdadeira politica europeia em relação ao jogo e que as condições para um exercício responsável da actividade estão dadas   

Sublinhamos a necessidade de criar observatórios do jogo que alertem e informem os consumidores sobre as práticas de cada operador.  Estes observatórios poderão  ser um incentivo para a implementação de boas práticas nos seus sítios de jogo online. A diferenciação positiva. A transparência dos operadores poderá traduzir-se num capital de confiança junto dos jogadores.   

Entendemos que deverão ser criadas  redes de assistência para jogadores compulsivos, começando pelos centros que já estão a trabalhar no tratamento das adições. Esses centros deverão funcionar sobre uma plataforma tecnológica adequada que permita o intercâmbio de experiências, a actualização de conhecimentos e a colaboração mútua.

Problema de saúde pública

DESDE 2004
EDUCAÇÃO/PREVENÇÃO
O programa Jogo Responsável deverá contribuir para assegurar a protecção dos indivíduos, e da sociedade em geral, das consequências negativas do jogo e apostas a dinheiro e simultaneamente proteger o direito de quem pretende jogar.

         

Related Posts

Leave A Response

Example Skins

dark_red dark_navi dark_brown light_red light_navi light_brown

Primary Color

Link Color

Background Color

Background Patterns

pattern-1 pattern-2 pattern-3 pattern-4 pattern-5 pattern-6

Main text color