PORTUGAL: Dinheiro volta a rolar nas mesas de jogo dos casinos

Dinheiro volta a rolar nas mesas de jogo dos casinosEm queda há seis anos, as receitas dos casinos aumentaram 5% até Abril. Contudo, as empresas desvalorizam e lembram que a subida se segue a fracos resultados.

Ainda não será um jackpot, mas nos primeiros quatro meses do ano as receitas brutas dos casinos aumentaram 4,4 milhões de euros (5,2%) em comparação com o mesmo período de 2014. No seu conjunto, as quatro empresas que exploram as concessões do jogo em Portugal têm visto as receitas derrapar há seis anos consecutivos mas, pelo menos, 2015 começou com melhor sorte.

Entre Janeiro e Abril, a facturação alcançou os 89,8 milhões de euros, 28% dos quais obtidos nas mesas de jogo e máquinas do Casino Lisboa, da Estoril-Sol. O casino da capital facturou quase tanto como as receitas conjuntas das cinco salas da Solverde, o segundo maior operador do sector. Na lista dos que mais facturaram, seguem-se o Casino Estoril e o Casino de Espinho, com 12,7 milhões de receitas (bingo excluído).Apesar da evolução positiva, as empresas desvalorizam os resultados e lembram que estão há anos a perder clientes. Se em 2011 tinham mais de 6,4 milhões de visitantes, em 2013 receberam 5,5 milhões, argumentam. Entre 2008 e 2014 as receitas brutas diminuíram mais de 103 milhões de euros, fruto da crise e da quebra de rendimentos dos portugueses. Recorde-se que as receitas do jogo financiam em 62% o orçamento para promoção do Turismo de Portugal.

Artur Mateus, director de jogo adjunto do Casino Estoril, diz que o aumento de mais de 5% entre Janeiro e Abril “não é motivo para traçar qualquer perspectiva optimista”. “Em primeiro lugar, porque são apenas quatro meses e, portanto, é muito cedo para identificar uma tendência. Em segundo lugar, porque esta evolução é a primeira excepção de crescimento, que se segue a um período de contínuo decréscimo das receitas dos Casinos”. Há ainda que contar com as consequências da entrada em vigor da lei que autoriza o jogo online. Artur Mateus acredita que, com o arranque da concessão de licenças de exploração no segundo semestre, haverá “um impacto negativo nas receitas dos Casinos físicos”.Dinheiro volta a rolar nas mesas de jogo dos casinos 2

O director de jogo adjunto do Casino Estoril, onde circulam em média dois mil clientes nos dias de semana, diz que ainda é cedo para identificar os verdadeiros motivos para o aumento das receitas verificado até Abril, mas esta “pequena luz ao fundo do túnel” deve-se, em parte, ao investimento feito em animação e entretenimento, área em que os casinos apostaram fortemente. “Não há uma comparação linear entre os espectáculos e os resultados do jogo, mas a animação é necessária para trazer pessoas ao casino”, sustenta. No relatório e contas da Estoril- Sol de 2014 regista-se, aliás, um aumento de receitas operacionais relacionadas com a restauração e animação que, aliada a cortes nos custos, permitiu limitar as perdas provocadas pela queda de receita de jogo (26 milhões de euros de resultados operacionais). Ainda assim, as áreas de lazer não conseguiram conter os prejuízos de 1,7 milhões o ano passado.

A Solverde, que explora a concessão dos casinos de Chaves, Espinho, Vilamoura, Monte Gordo e Praia da Rocha, também aumentou a “política cultural e de lazer”. A empresa não se mostrou disponível para responder às questões do PÚBLICO mas no seu relatório de gestão do ano passado sublinha a diversificação na oferta, “a actualidade dos espectáculos e a originalidade da animação” como parte da estratégia. Liderada por Manuel Violas, a Solverde antevê um cenário “um pouco mais optimista” para 2015 mas “com um razoável nível de prudência que a incerteza de conjuntura económica recomenda”. Depois de prejuízos de 8,3 milhões o ano passado, estima agora um resultado negativo de seis milhões, “admitindo que não se consigam concluir os processos de negociação dos contratos de concessão em vigor”.

Dinheiro volta a rolar nas mesas de jogo dos casinos 3Na Madeira, o casino explorado pelo Grupo Pestana foi o único a diminuir as receitas em mais de 3% para 2,7 milhões de euros entre Janeiro e Abril. Luigi Valle, administrador da empresa hoteleira, também desvaloriza os números globais do sector, defendendo que é preciso “ter em consideração que o ano anterior foi fraco”. “Também se fala em Portugal que estamos numa fase fantástica em termos de turismo mas é preciso comparar com anos anteriores em que as próprias ocupações eram diferentes”, sustenta.

Contactada, a Amorim Turismo (Casino da Figueira e de Tróia, este em vias de ser vendido à capital de risco Oxy Capital), preferiu não responder às questões enviadas.

O domínio das máquinas
Numa segunda-feira ao final do dia, as slot machines do Casino Estoril estão dominadas por clientes de cabelo grisalho. Um grupo de jovens bem vestidos quer entrar para tentar a sorte mas é barrado à entrada pelo segurança, que lhes pede a identificação. “Sempre que me pedem para mostrar o cartão de cidadão tenho azar”, diz, a rir, uma das raparigas.

Fonte: Público

hi

 DESDE 2004

JOGO REMOTO   Observatório do Jogo Remoto.   Jogo Responsável   Jogo Excessivo   Regulação   Fraude Desportiva.   Responsible Gambling
 
OJR   Visite o Observatório do Jogo Remoto … aqui
 
  Visite a nossa página no facebook … aqui

Related Posts

Leave A Response

Example Skins

dark_red dark_navi dark_brown light_red light_navi light_brown

Primary Color

Link Color

Background Color

Background Patterns

pattern-1 pattern-2 pattern-3 pattern-4 pattern-5 pattern-6

Main text color